O Espelho - Machado de Assis - 2
Updated: 12/9/2020
O Espelho - Machado de Assis - 2

Storyboard Text

  • O Entusiasmo da tia Marcolina chegou ao ponto de mandar pôr no meu quarto um grande espelho, obra rica e magnífica.
  • Grande. E é uma enorme fineza, a melhor peça da casa. O senhor alferes merece muito mais.
  • Espelho grande?
  • Custa-me até entender.
  • O alferes eliminou o homem, ficou uma parte mínima de humanidade.Custa-lhes acreditar, não?
  • Vai entender.
  • Ora, um dia a tia Marcolina recebeu uma notícia grave, uma de suas filhas , estava mal e à morte.
  • Adeus, sobrinho! Adeus, alferes!
  • Você, venha comigo. Deixamos o alferes cuidando do sítio.
  • Fiquei só com os poucos escravos da casa. Logo senti uma grande opressão, era a alma exterior que se reduzia. O alferes continuava a dominar. Naquela noite, eles redobraram de alegria e protestos...
  • Nhô alferes há de casar com moça bonita, filha de general.
  • Antes assim fosse. Na manhã seguinte achei-me só, tinham resolvido fugir à noite. Fiquei triste pelo dano causado a tia e não sabia se ia até ela lhe dá a notícia triste ou ficava tomando conta da casa. Então, adotei pela segunda opção.
  • Matá-lo?
  • Mal podia eu suspeitar a intenção dos malvados.
  • Esperei que o cunhado da tia voltasse, mas a manhã passou sem vestígios dele e à tarde comecei a sentir uma sensação como de pessoa que houvesse perdido toda a ação nervosa. Minha solidão havia tomado proporções enormes.